Páginas

terça-feira, 25 de maio de 2010

O Maravilhoso Mundo de Final Fantasy (Parte II)

O Maravilhoso Mundo de Final Fantasy (Parte II)

Introdução
Com a mesma equipe do Final Fantasy anterior e como Final Fantasy não tinha a intenção de ser um mega-hit, uma lenda dos jogos como é hoje, não havia sentido em ter uma continuação da história... E não teve.

Enredo
Desta vez a história falava sobre 4 jovens (de novo?) que tiveram a sua vila dominada pelo império de Palamécia (Palákia ou Emperor - Muitos nomes aparecem em diferentes jogos) e que se juntam as forças rebeldes de Altair para derrubar o império.

Personagens
Firion - Um órfão que encontrou uma nova familia ao ser adotado pelos pais de Leon. Ele cresceu como um irmão para Maria e Leon até que o exército Imperial tomasse sua terra-natal e a vida de seus pais adotivos. Firion decide juntar-se com os rebeldes para executar vingança contra o império. Apesar do jogo lhe permitir ser qualquer coisa com os personagens, ele tem uma certa habilidade com espadas.
Maria - Por traz do semblante inocente e jovial, Maria se revela uma mulher forte que não desistirá de se vingar do Império e de procurar seu irmão desaparecido. Apesar do jogo lhe permitir ser qualquer coisa com os personagens, Maria parece ser uma arqueira.

Guy - Nada pode contra a força física de Guy; porém sua forma imponente esconde sua gentileza e ingenuidade. Alguem de coração tão puro que consegue falar com os animais. Apesar do jogo lhe permitir ser qualquer coisa com os personagens, Guy parece ser usuário de machados.

Um dos fatos mais engraçados do jogo é que a maioria dos personagens que tentam ajudar seu grupo, morrem como: Minwu, Josef, Scott e Ricard.
Jogabilidade e Dificuldades
Ao contrário do primeiro não havia como subir a classes melhores, elas estavam enraizadas nos personagens. Eles também não subiam de nível como antes. Eram os atributos individuais de cada personagem que evoluíam, eram o HP, MP, poder de magia, resistência, força, espírito, agilidade, inteligência e evasão. Estes atributos ficavam maiores quanto mais usados fossem e o mesmo acontecia com as armas e magias. Focar-se na habilidade mágica de um personagem causava o efeito inverso na habilidade oposta, forçando o jogador a escolher uma ou outra. Este sistema foi criado baseado nas leis de causa e efeito tornando o jogo mais realista, dando ao jogador mais controle sobre que tipo de arma, magia ele quer aumentar o poder. Só que muitos trapaceavam a máquina e evoluíam mais rápido, pois se podia realizar uma ação e em seguida cancelá-la, mesmo assim essa ação desfeita era computada no progresso da habilidade. Jogadores atenciosos podiam evoluir quase indefinidamente em apenas uma batalha atacando uns aos outros ou reentrando vários comandos.
A divisão na tela de batalha foi abolida para criar uma janela maior, com as informações agora na parte inferior. Nesta se mostrava o HP atual e o máximo, que podia subir para além de três dígitos.
FFII também tinha um novo estilo de aventura e progressão do enredo, que envolvia palavras-chaves ditas em diálogos e que deveriam ser mencionadas depois. Agora era necessário montes de investigações, este tipo de roteiro levou a uma maior interatividade levando os jogadores a mergulhar de vez no universo do jogo.
FFII foi o primeiro em que se podia lutar com menos de quatro pessoas no grupo e também a ter personagens entrando e saindo no decorrer da história, como o White Wizard Minwu, o passivo general Gordon, o pai de família Josef, a pirata rebelde Leila e o montador de wyverns Ricard, o último Dragoon.
 
Remakes
O jogo foi lançado originalmente para o NES no Japão em 1988 e ia chegar aqui no ocidente com o subtítulo Dark Shadow Over Palakia, mas por conta do tempo e do surgimento do Super Nintendo o jogo foi cancelado e nós tivemos que esperar 13... isso mesmo 13 Anos para poder jogar Final Fantasy II, teve os mesmos remakes de Final Fantasy e foi usurpado pelo Final Fantasy IV aqui no ocidente, recebendo o nome de Final Fantasy II. Na versão Dawn of Souls, no fim do jogo tem uma nova dungeon Soul of Rebirth, que mostra o que aconteceu com os personagens depois de morrerm e na versão Anniversary tem o Arcane Sanctuary.

Nenhum comentário:

Postar um comentário