Páginas

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Filosofando.

Ultimamente eu percebi que o que eu ando escrevendo em meu livro, reflete mais o Eduardo de 2010 do que o Eduardo de 2009, uma boa razão para isso é esse trecho:


-->
  Assustado? Talvez.
  Com medo? Nunca.
  A filosofia que eu adotei ultimamente tem me ajudado a seguir em frente, também me faz mais forte, aumenta a confiança em mim. Em tempos sombrios, temos que nos reservar e ser fortes para agüentar o que está vindo a nossa direção, agora são tempos sombrios. E tempos sombrios demoram para desaparecer.
  Pode parecer estranho, mas desde que aconteceu tudo isso na minha vida, eu estou enxergando-a de uma perspectiva bem diferente do que eu costumava enxergar. Uma perspectiva mais madura e realista, mais humana do que eu tinha antes. Talvez eu realmente esteja mudando, não pelo fato de ser algo da puberdade ou outra coisa relacionada com os adolescentes, mas pelo fato de que temos que encarar o que está acontecendo, e por isso não podemos mais enxergar as coisas com olhos de criança, mas com olhos de uma pessoa mais madura.
  Sim, a infância está escapando de minhas mãos. Parece que eu estou me esquecendo de como é ser criança, sendo que faz tão pouco tempo que eu deixei de ser uma... Muitos dizem que eu tenho que parar de crescer no tamanho e começar a desenvolver a minha mentalidade, o que eles não sabem é que a minha mentalidade está há muitos anos a frente do Eduardo com quem eles falam. 

Essa filosofia que me classifica como outra pessoa, e isso me assusta, é engraçado perceber o quanto eu mudei em apenas alguns dias, realmente parece que eu sou outra pessoa e pelo que eu andei analizando por aí é que: Eu não sou o único a pensar dessa maneira. 
É como eu disse: a infância (ou o meu eu criança) está escapando de minhas mãos.
Realmente eu estou prevendo tempos muito sombrios vindo para mim, e isso me assusta, por que eu não sei o que dizer, nem como agir, só posso deixar o tempo responder essas questões, não posso mais ser aquela pessoa brincalhona e engraçada de antes, mesmo que eu queira ser, com todas as minhas forças, a lei da vida é assim. 
Quando você é de um jeito, você não pode ser de outro, mas é exatamente o contrário que anda contecendo comigo, eu não estou com medo. Eu tenho coragem para passar por cima dessa fase e terminá-la de cabeça erguida, não podemos nos deixar levar por coisas que vivemos no passado.
Afinal podemos ficar assustados, mas não devemos ficar com medo.




Uma coisa eu posso dizer, muito obrigado Beatriz, por abrir a minha mente e me fazer pensar sobre o que está acontecendo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário