Páginas

sábado, 8 de outubro de 2011

Hora do Horror 2011 - Parte 2


Como sabem eu fiquei devendo a melhor parte da minha ida ao Hopi Hari e agora vocês vão saber

Parte #5 - 6 horas da tarde
  Depois da experiência maravilhosa no Elevador resolvemos nos sentar um pouco e comer alguma coisa, acontece que ninguém estava com fome, só com sede, eu acho que só comi duas batatas Ruffles Honeymoonstard :/
  Aí deu aquela baita vontade de fazer xixi, eu tinha que ir ao banheiro, caso contrário acabaria acontecendo um acidente quando eu fosse correr dos monstros, mas o pessoal falou que as filas estava infernais, ao invés disso eu fui encher as garrafinhas de água com a Thaís, foi quase uma batalha para poder chegar no bebedouro, é muito pouco para muita gente, a minha sorte é que nessa hora eu pude me distraír com a música do Paramore, When The Lines Overlap que estava tocando nos auto-falantes.
No one is as lucky as us, we're not at the end but... Oh we've already won
Ninguém é tão sortudo como nós, não estamos no fim, mas... Oh já ganhamos

   Quando voltamos a Kibe estava tipo, super nervosa, a Fran estava falando no telefone com o pai, com a mochila no colo e o Oswaldo estava brisando. De repente uma orda de pessoas começaram a correr, a Thaís pegou a mão da Fran que largou a bolsa aberta em cima da Kibe e todo mundo saiu correndo. Quando finalmente resolvemos parar a Kibe estava quase morrendo com a bolsa aberta
   - Feeechaaa! Feeecchaaaa! - gritava a menina.

Parte #6 - O Drama da Kibe
   A gente ficou bem na frente na Roda-Gigante confortando a Kibe que estava chorando, sem mesmo ver o monstro, eu também não vi, mas o Oswaldo jura que viu um treco preto correndo, a menina estava chorando tanto que precisou ligar para a avó dela para acalmá-la. Não adiantou muito.
   Tentamos explicar para ela que são somente pessoas fantasiadas, mas vê se adiantou muita coisa, a menina ficou cada vez mais desesperada. 
   Então bateu na cabeça dela que ela queria ver a abertura da balada. Mas somente a abertura da balada. Somente.

Parte #7 - A Balada
   Quando chegamos a balada já havia começado, estava todo mundo apertado, suado e muito, muito calor. Sem falar que aquele lugar tava parecendo um puteiro, que horror gente.
   A Kibe começou a se soltar, aí eu percebi que não sairia tão cedo daquele lugar, aí tentei me entrosar, me divertir sem perder a linha. O DJ começou a tocar Born This Way e pediu para todo mundo cantar junto e pular, até a Kibe cantou... bem mal, mas cantou... Mai mama tou mi uén ai uas ian... 
   De repente eu percebi que estava tendo um mal estar por causa do calor e não era só eu, o Oswaldo também. Tive que sair pulando, era o único jeito, mas pelo menos eu saí... Deixando as meninas para trás.

Parte #8 - Que Assalto!
  Percebi que perdi um chaveiro da minha mochila... O meu anel de latinha XD. E também que a minha garrafinha se perdeu na multidao. Para piorar, o Oswaldo deixou o celular dele e a carteira na bolsa da Kibe! Mas ele nem se importou com isso...
   Estava morrendo de sede, queria beber algo imediatamente. Então fui para a entrada do parque aonde havia muitas lojas. No caminho percebemos os monstros... Se aquilo era monstro então pode falar que eu não sou Otaku. Pelo amor de Deus! Eles podiam fazer alguma coisa bem mais assustadora para comemorar os 10 anos do evento, não acham?
  Chegando na lojinha fui ver o preço das coisas... OMG! A água era importada da Itália, Refrigerante dos Estados Unidos, Lanche da Alemanha. Nada custava abaixo de R$4,50... MUITO CARO.... Pagar R$6,00 em uma garrafinha de água, de plástico é um crime!

Parte #9 - (Quase) Deixados para trás
  Já era quase 8 horas da noite, e encontramos os professores, e aos poucos os alunos íam chegando e nada das meninas, aí sim o Oswaldo começou a se preocupar com seus pertences. O pior foi quando a Jose - a coordenadora - falou que a gente ía embora, com ou sem o pessoal que ficou para trás. Tentei ligar para elas que nem um louco, mas não dava certo. A Domênica conseguiu ligar para elas e a Jose deu 15 minutos para ela o Nícolas buscarem as meninas, nisso a gente já estava no ônibus. Pouco antes de partir o ônibus as meninas entraram.
  Fiquei sabendo que cada coisa que só Jesus na causa, mas talvez a coisa que mais me chocou foi que um Travesti que tinha no parque teve uma baita convulsão no meio da balada que até levou os seguranças que estavam segurando ele para o chão...

E esse foi o meu maravilhoso dia no Hopi Hari...
O que eu ganhei com isso? Um corpo super cansado, mãos cheia de machucados por causa do bolso com ziper, gripe, tosse e dor de garganta.
Eu até voltaria, mas em uma temporada que não tivesse muita gente...

Na foto da esquerda para a direita...
Frente: Thaís Garrido, Francielle, Bia, Kibe, Thaís e Domênica
Fundo: Eu e o Nícolas
O Oswaldo tirou a foto.

3 comentários:

  1. Duda, essas aventuras é o máximo, o cara se diverte pacas e é uma balada sadia, mesmo sendo cara pra caramba, mas vale à pena.

    Um abração pra ti.

    ResponderExcluir
  2. Pelos vistos isso foi divertido Edu, neah ? :3 O problema é que saimos desses sítios mais mortos que mortos :c
    Ah, e sobre o whitefall, não fique "white" como vc disse xD Aliás, disseram-me que apesar de não parecer aquilo tinha uma curva que nao deixava ir a pique. Isso é conversa porque quando a mulherzinha que estava lá a controlar me empurrou para desfrutar desse brinquedo o sangue me subiu a cabeça, estava quase como que a cair (quase). Mas compensa eheh.
    Eish, eu falo demais '-'

    ~ bai bai Eduu ~

    ResponderExcluir
  3. Oi Paulo!
    Consegui sobreviver a minha primeira balada... Sem passar mal nem nada. Não pretendo ficar indo em baladas, se eu quiser dançar, danço em casa, me divirto mais quebrando as coisas sem querer ;D
    abração

    Oi Marz!
    Pois é.... Ainda estou quebradaço, tossindo pra caramba >.<
    Claro que compensa, apesar de ter ficado horrorizado com o Elevador, eu iría de novo e de novo e de novo!!! \o/
    bjs

    ResponderExcluir