Páginas

sábado, 1 de setembro de 2012

BH - A Casa Maldita, Capítulo 4

4. Quebra-cabeça
            Estávamos no que parecia ser a cozinha. Mal iluminada, o que dava um contraste com a sala de jantar que era totalmente bem iluminada. A nossa sorte é que trouxemos lanternas.
            O local tinha um cheiro incrivelmente absurdo de comida putrefata, pude perceber quando apontei a lanterna para a parede onde ficava uma bancada de metal com superfície de madeira. Vi vários animais em estado de putrefação total, na verdade não eram animais, mas sim suas carcaças, era uma fauna extensa desde um simples frango para um cordeiro, todos pendurados por um arame que ia de uma parede á outra.
            Nesse instante todos começaram a explorar o local. Segui adiante, queria ver o que tinha na bancada.
            Sangue, muito sangue, tanto que tinha até na parede branca mofada. Julgo ser sangue animal, também vi várias facas ensanguentadas espalhadas pela bancada. É incrível saber que quem sentaria naquela sala de jantar toda chique comeria uma refeição que foi preparada aqui. Tenho minhas dúvidas se isto foi limpo pelo menos uma vez na minha vida, porém a dúvida se torna uma certeza ao ver duas baratas passando pela bancada.
            Olhei para Jenny, ela ficava olhando uma panela no fogão, que aparentava ser bem rústico, porém usava gás, como pude ver pelo botijão ao lado. Me aproximei dela.
            — Eu não ouso olhar o que tem aí dentro... — falou Jenny tentando ser engraçada ou falando sério mesmo, não deu para perceber pelo seu tom de voz.
            — É capaz da gente abrir e sair uma mariposa de dentro. — falei brincando, porém do jeito que ela olhou para mim, percebi que ela estava falando sério mesmo...
            Decidi me afastar. Assim, eu pouparia Jenny de ouvir mais piadinhas sem graça. Decidi ir aonde Chowder estava. Chowder observava o armário, abrindo várias gavetas e portas. Vi vários talheres enferrujados, panelas que nunca ouviram falar de água e até mesmo pratos quebrados.
            — Acho que eu senti alguma coisa... — disse Chowder tateando a parede, rapidamente Jenny e eu apontamos nossas lanternas para a mão de Chowder, aparentemente ele parecia estar tocando na parede, o que seria moldes de triângulos, um do lado do outro, porém com um espaçamento pequeno entre eles... A imagem formava um octógono. Também percebi que havia uma caixinha de metal do lado inferior direito desse octógono, Chowder tateou, tentou abrir e arrancar o objeto, mas estava fortemente grudado na parede.
            — O que isso poderia ser? — perguntou Jenny quando se afastou um pouco e percebeu que pisou em algo, sem pensar duas vezes, apontou a lanterna para o chão e viu um triângulo branco no chão e pegou-o — Hum... Um triângulo branco feito de acrílico... Chowder... Tenta encaixar o triângulo em um desses moldes.
            Jenny entregou o triângulo para Chowder que pro sua vez, o colocou no molde. O objeto havia se encaixado perfeitamente.
            — Hum... — disse Jenny pensativa — Seria isso uma espécie de porta ou algo do tipo?
            — Será? — indagou Chowder — Não consigo imaginar isso aqui abrindo.
            — Acho que eu entendi... — comentei — Se quisermos abrir a porta, devemos completar esses moldes com os triângulos, certo?
            — Acho que sim... — falou Jenny — Vamos procurar.
            Vasculhamos cada centímetro quadrado da cozinha, não achamos nada além de baratas, ratos, e muito sangue.
            — Já pensou que os sete triângulos que faltam poderiam estar espalhados pela mansão? — disse Chowder.
            — Será mesmo? — falou Jenny com um pouco de indignação — Vamos ter que vascular esta mansão de cabo a rabo? Gente... Tem noção de como isso aqui é grande?
            — Quanto mais cedo vasculharmos este local, mais rápido acharemos uma saída deste lugar... — disse Chowder abrindo a porta que levava para a sala de jantar.
            — Uma coisa eu tenho certeza... — falou Jenny entrando novamente na sala de jantar — Se estiver neste lugar aqui, não vai estar dentro daquelas gavetas, eu não acho que deixaria de notar um triângulo de acrílico, não é?
            — Mas será que olhamos embaixo da mesa, nas cadeiras, atrás dos quadros? — falei levantando o pando da mesa.
            — Affs... Isso vai ser longo... — disse Jenny tirando um quadro da parede.
            Olhamos tudo. Embaixo da mesa, nos assentos e embaixo deles, atrás de todos os quadros e até mesmo procuramos por algum lugar em que ele pudesse estar dentro da parede, desistimos e voltamos para o hall de entrada.
            — Gente... — falou Jenny — Eu sei que combinamos não nos separarmos, mas se resolvermos procurar em todo canto juntos iremos demorar de mais. Vamos ter que nos separar...
            — É o jeito... — concordou Chowder.
            — OK, então acho que vou procurar nesta porta da direita aqui mesmo no térreo — falei conformado.
            — Eu subo a escada da esquerda no primeiro andar. — falou Chowder.
            — Então acho que sobrou para mim a escada da direita... — disse Jenny — Qualquer coisa, temos nossos celulares. Mandem uma mensagem ou deem um toque ao ver qualquer coisa suspeita, OK?
            — OK — falei eu e Chowder juntos.
            Dito isso, cada um seguiu seu caminho. Me dirigi para a porta grande da direita, e me deparo em um corredor que tem uma esquina e uma sombra que se movia constantemente, para a minha sorte...

6 comentários:

  1. Eduardo,
    tudo bem?
    Uma boa dose de suspense e cenário muito bem descrito, me vi ali na cena. Penso que tem mais coisa por aí..., acho que um fato inevitavelmente puxará uma sequência de outros... fiquei com curiosidade, e o final deixou mais suspense ainda. Além disso, você narra em primeira pessoa o que torna tudo mais intimista, e permite maior reflexão.
    Abração e ótimo domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cissa!
      Fico feliz que tenha proporcionado isso á você! Afinal, é essa a intenção de BH!
      Abraços e um ótimo feriado para você :3

      Excluir
  2. Eduardo :)
    Como vai?
    Cara,gostei muito deste capitulo :)
    Um bom suspense e tal no começo até o fim mesmo como já disse a Cissa *-*

    Mas me conte,como anda a vida no Sesi/Senai?Fácil?kkkk
    Abração

    ResponderExcluir
  3. Oi Sandro!
    Que legal que eu tenha conseguido lhe proporcionar o mesmo!

    Rapaz, até que não está tão apertado assim, só aperta por que eu tenho que estudar para o vestibular XD
    Abração!

    ResponderExcluir
  4. Edu o/
    Seu texto está muito bom..bem escrito e de forma a prender a atenção...m,e deu vontade de saber mais e também de escrever meu livro kkkkk.
    E a, como vc está na correria dos estudos? Ainda bem que vc pulou desse esquema de planos de classe no fim de ano,..fica sempre surgindo os manda-chuvas e logo vem discussão e no fim eles fazem aldgo ridículo que desagrada a maioria...e vc perde temo e dinheiro para fazeralgo que não estará realmente aproveitando. Por isso sempre pulei fora desse tipo de coisa.
    Para vc ter idéia, lá no meu trampo fazemos coisas de foto produtos..vc jnão faz idéia do quanto de grana que o pessoal gasta para festa de 15 anos. Sem brincadeira é coisa do porte de casamento pra gastos! Absurdo!
    Pelo que vc falou. o CAF deve ser mesmo grande..tenho muita vontade de ir em eventos fora da cidade de SP. Pretendo ir em um nas minhas férias, espero que dê certo.
    Você flaou certo sore games..o primeiro Silent Hill é assustador depois as conyinuações começaram a ficar forçadas e o mesmo aconteceu com RE..veja bem, eu adoro Resident Evil mas confesso que os 3 primeiros jogos são muito bons, depois começou a decair e surgir monstros muito absurdos...o que salva é a beleza do Leon kkk., tá parei.
    Olha sobre Tenchi Muyo, ele foi exibido no extinto programa BandKids da emissora Badas: passava durante a semana á tarde, e tnha também El Hazard, DBZ...foi uma época fenomenal..eu tinha uns 13/14 anos. então calculando foi por meadoa do comçeo de 2002/2003 não me recordo. Tenho como base minha amizade com uma amiga da net..que já tem uma década e comçeou nessa época.
    Carai1 Tu comprou Monster!! Não esqueça de me avisar quais foram suas primeiras impressões acerca do mangá!
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi Tsu!
    Legal! Parece que estou conseguindo mesmo fazer o pessoal se prender em BH :3
    Realmente, eu desisti de fazer essas coisas, mesmo... É muito mais legal juntar uns amigos e ir para a pizzaria de novo, mas adivinha que dia que vai ser a formatura... Em plena TERÇA-FEIRA! Estranho, não?
    Mas eu imagino que o pessoal gasta com tudo isso mesmo... Olha, só para a viagem de formatura que a minha sala vai fazer vai ficar em torno de uns R$2.500, ano passado minha igreja vez uma visita em Ávila, passaram por Portugal, França e Espanha, e sabe quanto que foi o total da viagem? Por volta de uns R$4.200...
    Pelo que vi da demo de RE6, parece que vai ter um pouco de tudo, inclusive o bom e o velho suspense de survival-horror, é só ver a demo do Leon n_n
    Então tá explicado por que eu não me lembro de Tenchi Muyo, nessa épcoa e estudava á tarde :P [Ainda estudo, mas entre 2006 e 2009 estudei de manhã]
    Eu já li o primeiro volume e é simplesmente fenomenal! Estou curtindo muito!!!
    bjs

    ResponderExcluir