Páginas

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Como é possível que uma festa junina cause tanta reflexão em mim?


  Adoro títulos autoexplicativos e longos, um dia vou escrever uma música com um título bem grandão também. 
  Queria ter pego uma foto da Britney naquela infame festa que todo mundo sabe que eu estou falando, mas preferi pegar outra foto da Britney fazendo cara de cu. Enfim, vamos ao que interessa. Esse ano digamos que a crisma na igreja está cada vez melhor, temos jovens animados e tudo mais. Mas ainda não é disso que eu quero falar... "Então fala logo, caramba!" Mas eu preciso contextualizar, poxa!
  Enfim, já entramos na onda das festas juninas e como sempre, colocamos o pessoal para trabalhar ou na barraca da pesca ou atendendo o pessoal com as comidas no balcão. E ontem eu pensei que iria ajudar na barraca da pesca, acontece que já tinha crismando de mais trabalhando lá, ai eu pensei, tipo, beleza, então... Vou tentar curtir a festa e tals.
  Beleza... Corri para comprar um morango do nordeste porque aquela delícia de Deus acaba mais rápido que o trecho da Claudia Leitte na música da copa (La La La (Brazil 2014) na veia, We Are One (Ole Ola) na cadeia), comprei um pastel de queijo, um guaraná, tudo numa boa. Até mandei um correio elegante zueiro para uma menina aleatória por lá.
   Se não fosse por uma amiga minha eu tenho certeza que hoje a festa ia ser muito cu. Isso mesmo que você leu, cu.
  Nossa panelinha se dissolveu e eu fiquei só com essa amiga. Tipo, vira e mexe aparecia outra amiga para fazer companhia, (a da cestinha do correio elegante ~ cara, foi o R$1,00 mais bem investido do mundo mandando aquele bilhete zoeiro!) mas ela fazia um bate e volta, afinal tinha que andar por aí com a cesta. Enquanto eu dançava macarena (explico isso em outro post, por favor) comecei a refletir sobre o quão jovem sem sal nem açúcar, nem shoyu, nem nada eu sou.
  Tipo, eu não bebo nada alcoólico, vou para os lugares para me divertir e não sair por aí querendo "pegar as novinha tudo", e convenhamos que grande parte dos jovens que me cercam são um bando de manezões com conversas que dão mais sono que ouvir um Jigglypuff cantando. Não gosto de falar que sou mais culto que eles (como minha mãe disse), até porque eu não me considero culto e não gosto de me achar melhor que os outros.
  Mas sabe, é por essas e outras que eu tipo, por exemplo, fico de escanteio em quase toda festa que frequento. Não sou antissocial, muito pelo contrário, quem me conhece sabe bem (beeeeeeem) disso. Pelo fato de eu não conseguir me misturar com a massa jovem, me sinto deslocado. Isso não me incomoda, de jeito algum, mas é algo que me faz parar para pensar, que ou a massa tem algum problema ou sou eu. Certeza que sou eu, porque a massa está sempre certa.
  Anyways, estou me divertindo à minha moda, dane-se o resto.

ミduardo

sábado, 17 de maio de 2014

4 anos e (mais) um recomeço


  Que sensação estranha voltar a postar aqui... Quem acompanha o blog faz tempo sabe como a minha vida vira e mexe, anda corrida e eu sempre tenho que sacrificar algo que eu gosto em nome de um possível bem maior. Muitas vezes esse algo era sempre o blog que sempre fica de escanteio nos meus planos. Muitas vezes eu acabo esquecendo que é muito bom e gratificante ter um, como é bom ter seu espacinho na internet e tudo que eu consegui conquistar depois desse espacinho. Mas depois de inúmeros hiatos e promessas que não se cumprem, sinto que estou me sacrificando mais do que devia, talvez...
  Tudo bem, meu dia anda cada vez mais corrido, tanto que quem estava acostumado a me ver on-line quase não me vê mais, porque o que antes era no mínimo 4 horas, hoje se estende a apenas 2 no máximo. Não quero que esse post seja mais um de desculpas esfarrapadas sobre meu sumiço e promessas vazias. Afinal, hoje é o aniversário do blog. Quatro anos na estrada já, quem imaginaria que algo assim iria durar tanto? Eu não.
  Minha vida virou de pernas pro ar nesses 4 anos. Comecei a escrevendo uma fic meia-boca, que até hoje eu morro de vergonha, mas eu a deixo para servir de exemplo e até mesmo motivação: Eduardo, você escreve mal, mas você já escreveu bem pior. Muitas experiências compartilhadas, muitos gostos compartilhados e muito conhecimento trocado e antes que eu me esqueça, muitas amizades também, amizades que levarei para a vida toda, certeza.
  Enquanto eu assopro a 4ª vela do bolo de aniversário, faço um pedido, que eu possa acompanhar mais este blog, que eu tenha boa vontade de manter ele mesmo com todas as condições adversas que a vida coloca à minha frente.
  O tema do layout que eu escolhi para esse ano é bem simples (aproveitei para experimentar o novo modelo do Blogger e, ó, tá aprovadíssimo!), o tema é minimalismo. É uma vertente minha que eu tenho tentado experimentar em algumas coisas da minha vida. Minimalismo não é se contentar com pouco, mas sim aproveitar o máximo do pouco que se tem. Não sei porque tento explicar algo que nem me dei ao trabalho de pesquisar, sabe quando de repente dá aquela ideia na teia? Então, essa onda minimalista é mais ou menos assim. Vamos focar mais no conteúdo do presente do que no seu embrulho, que tal?
  A parte boa de ficar tanto tempo fora é que a gente vai colhendo muita experiência e vivência. Então tenho muito material para colocar aqui. Parece que à medida que o blog vai avançando a gente pretende parecer cada vez mais e mais profissional, eu lembro que eu fazia posts mínimos e com poucas palavras só para contar momentos engraçados que eu vivia com meus amigos no tempo de escola. Quero unir o útil ao agradável, a "qualidade" com a simplicidade. Mas sempre que me der na teia de escrever ou criticar, ou whatever, eu farei sim.
  Bom, por enquanto acho que por hoje é só... Feliz aniversário, Platina JP! 

ミduardo.

PS: Caramba, gente! Parece que subitamente surgiu aquela vontade de escrever milhares e milhares de coisas, preciso reviver esse lugar mais vezes, ou melhor, nunca deixá-lo morrer.